segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Noite quente...


Na qual, tivemos nosso caso de amor.
Saudosa das noites de outrora,
quando mal pudemos nos tocar,
desejosa vieste a me procurar.
Lânguida e carente, você se apresentou.
No calor da noite, ardente, me amou.

Iluminou nossa alcova,
apaguei a luz...,  o abajur somente testemunhou.
Pediu-me sussurrante, que te pegasse no colo,
que te levasse para o quarto.

Deitou-se e se entregou a luxúria.
Esparramou-se na cama, delicadamente e nua.
Minhas fronhas lembraram o sentir de teus cabelos.
Meus lençóis, ainda guardavam o teu perfume em segredo.
Reclamavam a tua presença.
Meu quarto, meu paraíso do prazer terreno, sorriu.

Antes do coito afoito que realizamos,
com minhas mãos te fiz delirar.
Explorarei tuas planícies.
Meu corpo, tua sela, montaste em mim.
Cavalgaste pela noite afora.

Pudeste gritar, gemer..., ninguém iria escutar.
Fazer-te delirar, teu cio aplaquei.
Minha adorada felina, me realizei.
Desperto em você, minha musa, tuas vontades.
Que homem de sorte, sou.
Nosso ato de amor,
nossas silhuetas denunciaram.
Só a penumbra foi testemunha.
Entreguei-me ao desejo teu completamente.

Repleto de vida quero sugá-los
Deixe-me sorver teus seios.
Maravilhas da criação..., divina visão.
Perfeitos e simétricos, macios e quentes.

Desfrutar o teu calor o teu amor.
Faça-me sentir que mereço viver.
Preencha minha noite solitária, meu amor.

Gerson Araujo Almeida

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Escreva...


Escreva uma carta, 
coloque nela teus sentimentos, 
tuas angústias e lamúrias.
Não vou me importar com coisas 
que sejam tristes por ventura, 
que possam me verter lágrimas até.
Sou um chorão nato, 
me emociono e fico empático 
com as vicissitudes que possa perceber em teu ser.

Escreva um bilhete, 
pode ser de poucas linhas.
Nem sempre inúmeras linhas 
expressão as verdades que queremos mostrar.
Não sinta medo, nem vergonha 
se te acharem medonha,
revelando intimidades tuas, 
imagens nuas de tua alma.

Escreva um poema...
Quem sabe será publicado, 
laureado por alguma editora.
Que apenas fique entre nós apenas, 
amigos do peito, sinceros e caros,
que nada iremos cobrar por ler tuas obras.

Se serviu de incentivo, aqui vai minha súplica.
Quero ler e entender teus caprichos de mulher.
Tua alma em busca de amor e ternura, 
sem esta insegurança tua.
Sei que és uma lutadora nata,
magnata e magnânima nesta vida de vitórias.

Escreva, quero ler você...

Gerson Araujo Almeida
(dedicado a uma amiga especial...)

sábado, 19 de dezembro de 2015

Caderno de poesias


Caderno de poesias, antes os tinha.
Era um belo lugar, para guardar os sentimentos, 
tantas coisas lindas, escrevia para você. 
O que gostaria de ouvir, preferi escrever e postar. 
Eu "falo", em forma de versos,
para que todos possam ler e tentar com a mente escutar. 

Agora você já sabe, 
esta minha maneira diferente de me expressar. 
Porque os poetas passam os dias, 
tentando o amor encontrar em quase tudo,
escrevendo em seus cadernos de poesias...

Tenho os meus bem guardados, 
com suas folhas já amareladas.
Assim como você, 
tento deixar o tempo não me aprisionar no passado.
Os sentimentos que afloram, 
desejo muito realizar agora. 
Desejos que ficaram guardados, pois estou só. 
Amores que batem na nossa porta, 
sem aviso ou cerimônia. 
Recebê-los com carinho e parcimônia 
é o correto. 
Mandar-lhes beijos e abraços, 
mas no íntimo de nós, aprisioná-los seria tão bom.

Dizer que estamos abertos as novidades, 
aos carinhos e beijos que nos fazem sonhar delícias.
Fazer amigos..., nos sentirmos bem com suas presenças.
Dedicando nossos amores e sentindo 
a carne trêmula de paixão. 

A quem quer que seja, 
basta olhar em nossa janela semi aberta. 
Sempre discreta esperando esta luz própria dos amantes,
que vem deles ou delas, sutis errantes.

Conserve seus cadernos, 
os meus já rotos e empoeirados, 
vou soprando o pó dos tempos. 
Relembrando os momentos. 
Bons e ruins, amados e desprezados. 
Alegres e tristes... 
Um beijo, um abraço..., meu carinho te passo. 

Gerson Araujo Almeida
(da lavra conjunta com Carmem).

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Mesmo agora ainda é tempo...


Poetar é uma necessidade, 
um alimento para o espírito do poeta.
É com isso que consigo amenizar a saudade, 
relembrar velhos momentos.
Sentir novamente os desejos calados, 
as súplicas atendidas e o gozo realizado.

Poetizar situações de outrora, 
marcam a vida de quem nunca esperou tanto,
nunca pensou que nas palavras poderia compor versos deliciosos.
Relembrar a imagem que me cativou tanto tempo, me apaixonou...

Quero lembrar apenas os momentos felizes, 
dos natais que juntos passamos,
sozinhos e próximos, 
ouvindo fogos comemorando a festa.
Abrir a cidra gelada 
e saborear desejando um feliz natal meu amor.

Mesmo agora ainda é tempo de dizer que muito te amei.

Gerson Araujo Almeida

domingo, 13 de dezembro de 2015

Procura-se candidato...


Queria encontrar um candidato ou candidata,
para eleger no próximo pleito.
Teria que ser um cara honesto de nascença, 
que tivesse pelo no peito. 
Quanto as candidatas, dispenso tais pelos.
Que pudesse fazer a diferença.
Entre tantos que há, não vejo o sujeito.
Deveria vir iluminado, bastante destacado.

Teria de ser bem alto para poder 
ser visto mesmo na multidão,
que tenha um intimidador vozeirão, 
que trouxesse na bagagem experiencia comprovada.
Que tivesse alguns diplomas, alguns canudos apenas.
É sempre bom ter estudo e cultura geral.
Estamos cansados de analfabetos, 
isso dá mal exemplo aos demais.
Não precisa ser guerrilheira, 
já tivemos má experiência

Um candidato sério, 
que tenha na carreira um objetivo, 
servir ao povo que o elegeu, povo tão carente e sofrido.
Merecerá estar ali, 
na luta e observância dos direitos das leis 
e observando sempre, os limites do bom senso.
Que viva do que ganha 
e olha que é bastante, 
dá para ter uma confortável vida, 
pois tudo que precisa 
lhe será dado por nossas custas.

Não nos importamos quanto a isso, sustentá-lo.
Basta fazer o necessário para nos tirar deste marasmo.
Nada de profissionais, nada de aproveitadores, 
nada de corruptos de plantão..., senhoras e senhores.

Será que seremos agraciados um dia,
que este dia logo se anuncie.
Quero crer que sim, a esperança é sempre a última que perece.
A última que falece e nos destrói a todos.
As mentiras nos entristecem, nós derrota mas, nos mostra
quem devemos expulsá-los dos palácios.
Palácios que nem conseguimos entrar, embora sejam nossos.

Gerson Araujo Almeida

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Vamos levar o amor a quem necessita...


Chegou o natal, 
logo vamos comemorar o ano novo. 
Este ano que foi deveras complicado. 
Que foi cheio de obstáculos quase intransponíveis.
Se vencemos alguns, estamos de parabéns, 
senão os mais difíceis, haveremos de achar a solução, 
o problema é não desanimar nunca.

Sempre haverá uma solução 
para o mesmo problema que surge. 
Somos sempre capazes de vencer obstáculos, 
por mais difíceis que sejam.
Temos a capacidade de superação 
sempre que formos exigidos na nossa vida.

O pessimismo pode tentar nos dominar, 
mas a cada amanhecer uma nova oportunidade surgirá 
e o sucesso vamos alcançar.
Mesmo que seja aparentemente ínfimo, 
pequeno demais para que vejam, 
quem sabe foi melhor assim.
O alarde do sucesso pode ser prejudicial, 
pode trazer a inveja e a cobiça aos nossos tesouros terrenos.

Comunguemos nossas felicidades, 
nossos desejos de melhoras.
O amor que desejamos uns aos outros, 
deve ser expandido agora.
Não nos acanhemos, 
nos fiquemos isolados longe de tudo e de todos.
Vamos para a rua comemorar, ajudar, 
alimentar o espírito de quem precisa.
Acolher cada irmão nesta vida, 
cada semelhante que encontremos na rua,
nos becos, nas sarjetas, nas desertas ruas.

Ofereçamos o amor que em nós reside, 
esse será o pão daquele que tem fome.
Que não tem amor, que vive só.

Gerson Araujo Almeida

domingo, 6 de dezembro de 2015

Mundo que me violenta.


Será que nessa nossa passagem, 
nesses caminhos que trilhamos, 
por veredas e campos.
Cidades empoeiradas e carregadas de poluição, 
repletas de crimes que são cometidos 
por mãos que deveriam acariciar nossos rostos.
Não há uma saída sequer?

Quanto tempo ainda, 
seremos as testemunhas anestesiadas,
que não nos chocamos tanto como antes, 
diante de tanta violência?

Tenho medo de me tornar insensível 
ao ponto de não mais ligar.
Não mais me importar, 
fechar minhas portas e janelas e me abrigar.
Fugir deste mundo que parece não ter solução, 
não merecer mais meu perdão.
Apenas em pesadelo transformá-lo 
e desejar o quanto antes acordar.

Ainda acho que tem solução, não me custa sonhar!

Gerson Araujo Almeida

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Nunca esqueça o quanto eu amo você


Sei que foram promessas impossíveis de cumprir.
Estávamos apaixonados naqueles dias, 
você estava, de sentimentos, fria. 
Acolhi tua alma sedutora, 
castigada e maltratada pelo corpo que padecia.
Um mal tão perverso, tão mutilante, 
tão impensadamente, que abandona suas vítimas.
Como adorava tua companhia distante 
e ao mesmo tempo tão perto parecia.

Uma deusa que me encantou, 
uma alma tão carente, tão inocente...
Não fui abusado em nenhum momento, 
apenas mostrei..., possibilidades.
Te mostrei a mulher que se escondia, 
sem saber do que era capaz.
Revelei a sedutora e reveladora criatura 
que descobri em ti.
Amei cada momento, 
cada sentimento que roubei de ti.

Confesso meu roubo, 
queria você só para mim, 
sem me importar com tuas dependências.
Uma vida arrumada e acertada a muito tempo, 
organizada pelo destino antes de mim.
Uma pena que me pediu este tempo, 
não sei se chegaríamos a algum acordo.

Não sei mais de você, 
se se curou, se me ama na lembrança 
de teu poeta querido.
Eu nunca vou te esquecer, 
foi maravilhoso tudo que vivemos.

Nunca esqueça o quanto eu amo você, 
apesar do tempo passado.
Lembra de nossa sigla, 
nosso código secreto..., NEOQEAV

Gerson Araujo Almeida

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Lua de inúmeras fases


Lua de inúmeras fases, 
tão complexas pelo movimento de luz e sombra.
Me assombra saber as razões que te afasta, 
em mostrar-me tuas verdades.
Esperava ser merecedor de teus segredos, 
pois a muito tempo amor te tenho.

Não esperava saber por outros, 
queria saber por você...
Como se desloca pelo espaço, 
como se esconde e deixa mostrar pequenas partes.
Oculta verdades de quem ama teu semblante iluminado.
Mesmos tuas crateras, tuas cicatrizes de vida, 
que pensei provocadas eram,
pela mão alheia do cosmo.

Frustra-me entender que me escondeu muita coisa, 
não acredito na ferida que me causou.
Basta apenas esperar que ainda tenha salvação 
e permaneça em órbita de minha terra.
Sabe que pode contar com o amigo poeta 
que te venera embora tudo.
Quero que ache o caminho 
e resolva tuas revoluções e translações.
Rodopias sem parar na incerteza, 
a gravidade ainda vai te prender junto a mim.

Gerson Araujo Almeida

sábado, 21 de novembro de 2015

Ter você um dia era meu sonho


Ter você um dia era meu sonho, 
quando te conheci não te levei há sério.
A nossa amizade...
Até que um dia eu percebi,
que eu era louca por você.
Mesmo sabendo que me esnobava.
"- Vá!... E fingia não me querer!"

Te procurei pelos cantos das minhas páginas vazias, 
e só encontrei folhas em branco, sem respostas. 
Tentei fugir ao máximo que pude para lhe esquecer. 
Mas não dependia mais de mim e sim de você.

Meu amor era tão grande que me corroía por dentro, 
como se perdesse a força e a vontade.
 Amar mais uma vez, desejava.
Meu coração se fechou e eu perdoei. 

A noção do tempo, que ia se alastrando, 
tempo e dor que sua ausência me causava..  
Perdi-me parada nesse tempo, 
como se algum dia, 
você viria me buscar, nem que fosse 
para desfalecer-me em seus braços.
Eu morreria feliz por ter tido você por um dia. 
E que notasse que o meu amor, era bem maior. 
Que a morte poderia me assolar, 
com a dor de saber quando eu iria novamente te ver, 

Estou perdida de amor e meu sangue ferve, 
meu coração dispara quando eu vejo tudo. 
Tudo que o meu amor deixou foi saudade,
e que no passar do tempo as lembranças, 
vêm nos fazer recordar o quanto foi precioso. 
Um grande amor verdadeiro que se multiplicou. 

O amor que estava esse tempo todo adormecido, 
o despertar do teu desejo, é uma coisa que está junto a mim. 
para sermos somente um, sem medo de ser feliz, 

Josiane Ramos
www.facebook.com/josiane.mramos

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Não custa sonhar...


Justo e estreito, 
o caminho escuro aborda mil coisas na mente.
Cada saliência, cada confluência 
desperta mais vontade na minha pretensa caminhada.

Me cobre a noite com seu manto escuro, 
pouco iluminado.
Não quero luzes nem reflexos, 
sonho apenas com teu corpo ardente sobre o meu, 
quase inerte.

Já me bastaria tua companhia, 
me agrada teu olhar inocente.
Me enganas com teu desinteresse, 
posso imaginar o que seria,
a forma que me encantaria, 
tua entrega, teu prazer corresponder.

Não custa sonhar, não custa acreditar 
que irá acontecer.
Basta-me apenas esperar...

Gerson Araujo Almeida

domingo, 8 de novembro de 2015

Se um dia eu te perder...


Quero ser o bálsamo que cura,
o remédio que desfaz a dor que sentirá por ventura.
O incentivador de teus textos, 
de tuas mensagens, de teus poemas e recados.

Quero ser o primeiro da fila, 
para quando você chegar, 
ceder a ti o meu lugar.
Não me importa ficar no fim da multidão, 
desde que posso te acenar 
e despertar tua atenção.

Quero calçar teus sapatos, 
aqueles bem altos, para que ultrapasse meus olhos 
e fique bem acima em contraste com o Sol e a Lua.
Estar na calçada em que passa, 
abrir meu guarda chuva, 
quando ao menor sinal, 
as gotas vierem te tocar.

Se desejar se molhar, 
não me importa, ficarei ensopado, 
todo molhado, quem sabe uma gripe 
possa de mim se apossar.

Aí sim, só te peço que me cuide, 
me trate, me acolha, administre teus chás de ervas.
Quero uma cura lenta, 
só assim ficarei mais tempo ao teu lado.
Recebendo teus abraços, 
abrandando minhas febres, 
não me deixando sofrer.

Só quero te dizer que:
"- De todos os males que venha a sofrer, 
o pior será se um dia te perder!"

Gerson Araujo Almeida

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Muita saudade de você


Queria ser mais útil, 
me apaixonar perdidamente por ti.
Envolver teus cabelos em meus dedos, 
sentir o cheiro, o aroma do pecado.
Roubar tuas formas, tuas sombras, 
teus carinhos só para mim.
Me dedicar por completo, 
ser o amante perfeito e correto.
Me deitar em teu peito, 
sentir o sabor da paixão.

Me peça as formas que deseja amar, 
as maneiras que gosta.
Tentarei tudo realizar, com amor e prazer, 
se assim permitir.

Sugar tuas forças, aprimorar minhas carícias, 
te deliciar na cama. Minha dama, 
seja minha nem que por uma noite apenas,
minha pequena musa, 
me entrega tuas manias, seja minha.

De todas, foste a mais deliciosa e amável,
sempre em busca do agrado e atenção, me dedicar.
Quando sussurras pela manhã, 
quase não me deixa ouvir tuas palavras.
quando me diz ser importante 
me desejar bom dia.

Não sabe como isso me envaidece, 
ser o objeto de tua preocupação.
Lembrar do poeta amigo, 
logo ao despertar do dia, 
como querendo realizar o desejo,
de me ter ao teu lado.

Não imagina, como tenho sentido saudade.

Gerson Araujo Almeida

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Quem não arrisca, não conquista.


De todos os obstáculos mais difíceis,
o coração feminino se mostra quase impossível.
Requer muita garra, muita perseverança,
muita constância e ter muito amor a demonstrar.

Mais fácil escalar uma montanha, cal na mão,
sapatilhas adequadas, força e destreza me basta.

O coração de uma mulher é bem mais difícil.
Há que ter jeito, maneiras de encostar sem magoar,
acariciar o ego e ser verdadeiro.
Caso contrário, nossa queda é fatal, 
nunca nos perdoará.
Será como pinos na rocha cravar. 
Uma dor que nunca irá cessar.

Sei que quando terminar, esta escalada até o cume,
lá do outro lado, quero curar teus queixumes.
Te agraciar de carinhos, de beijos ao desalinho.
Minhas mãos postar em teu corpo aveludado.

Trazer tuas emoções a tona, 
desafogar tuas vontades,
apenas assim, te quero para mim.
Sorrindo novamente, me pedindo:
"Me ame sempre com carinho!"

Uma promessa que quero cumprir.

Gerson Araujo Almeida

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Quando passa esse trem...


A que horas passa esse trem,
quero embarcar urgentemente.
Sem destino certo, sem tempo para volta.
Quero sumir daqui e te levar comigo para bem longe.
Para um lugar que não sei se existe,
onde possamos ouvir os pássaros pela manhã ao acordar.
Sentir o murmúrio das água de um rio próximo.
Ver o vento agitar as folhas nos pomares ao fundo do quintal.

"- Será que este tal lugar existe?"

Levar teu café na cama, te beijar e te alimentar de desejos.
Te deitar na relva fresca ainda úmida do orvalho da noite passada.
Passar os dias lendo bons livros, escrevendo meus poemas.
Me inspirando em você, 
minha musa criadora, minha razão de tudo.

Se tal lugar não existir, vou criar.
Vou levantar uma casa, uma cabana, que seja uma choupana,
não importa, mas esse lugar vou fazer surgir.
Por hora, fica aqui o esboço em palavras, a ti dedicadas.

Ouça os trilhos da ferrovia, os sons dos atritos,
logo teu trem irá chegar, me deixe embarcar contigo?

Não levo bagagem, 
apenas um coração sofrido pelo tempo,
solitário e que quer te amar.
As roupas do corpo me bastam, 
dinheiro no bolso, pouco, minhas riquezas são outras.
Mas garanto que nada te faltará.

Viveremos os nossos sonhos, 
nossos desejos de amantes.
Vamos, embarcar o quanto antes, 
o tempo não para.
Quero envelhecer ao teu lado, 
entre flores e luzes dos astros.
Banhados seremos sempre pela luz da Lua, 
que serenamente nos cobrirá.

Gerson Araujo Almeida 

sábado, 24 de outubro de 2015

Até quando resistirá...


Até quando continuarei 
a ler tuas mensagens,
dizendo que acordas em fogo, 
que teu corpo reclama 
a ausência de companhia.
Que não suporta mais a mania, 
que já virou rotina.
O toque gostoso e carinhoso das mãos.

Satisfaz, agrada mas não é o mesmo.
Sente falta do amor puro e verdadeiro,
de um companheiro, capaz de teus apelos sanar.
Caprichar no modo e jeito para te amar.
Será que capaz serei em demonstrar...

Ainda espero um chamado teu, 
quem sabe virá logo ou ficarei só na vontade.
Tenho certeza que poderíamos suplantar nossos medos,
nossos acanhamentos, nossas vergonhas infundadas.
Admirar tuas tatuagens...

Te acordar com um delicioso beijo, 
um apertar de peito, um aconchego demorado.
Te cobrir com minha sombra, 
me deitar ao teu lado completamente despido de pudores.
Me deixe provar todos os teus sabores...

Gerson Araujo Almeida

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Como se definir um amigo!


Amigo, não se defini com uma só palavra. Num bom dia, num boa tarde, num fim da tarde,  com um boa noite. Amigo mesmo, se define com a capacidade de ser notável. De fazer valer a amizade que dedicamos. Com respeito, carinho de um irmão ou irmã. Amigo mesmo, é aquele que se preocupa como você. Está, ou até mesmo quando você não aparece, mas mesmo assim, ele está ali a sua espera.  Para lhe contemplar com um belo sorriso de bom dia! 

Na vida as vezes conhecemos vários tipos de amigos, aqueles que dariam a vida por você, dariam cambalhotas para te arrancar um sorriso, enquanto as lágrimas começam a cair. Ele está ali para não te deixar sentir a lágrima rolar. Mas tem outros tipos de amigos que te menosprezam e tentam achar que o melhor para você é o que ele quer para si mesmo.

Não sei definir um bom amigo pelas palavras e sim pelas atitudes, pelo respeito e caráter que os representam. Com o passar da vida, um amigo virtual não é melhor nem pior que o amigo real, só apenas fazem-se merecer por estar em nossas vidas, sem pedir nada em troca.  Isso sim define as qualidades de um amigo, e muitas vezes no passar do tempo nos perdemos um do outro, não por não ter garantido a confiança de ser amigo e sim pelo percurso da vida.  Mesmo estando tão longe nunca deixa de ser amigo! 

E no final de tantas voltas do tempo vemos que para sermos amigos não precisava ser na vida real. E sim virtual, mas que se respeitam e jamais deixam de desejar o bem. Que não tem interesse de um homem e sim de um amigo irmão, que se preocupa com nossa felicidade e nosso bem estar.  Ser amigo é ter o dom de "Deus" nas veias, saber respeitar os limites que lhe foi permitido. 

Amigos de fé! Amigos para sempre!

Josiane Ramos
www.facebook.com/josiane.mramos

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Poeta que poetisa.


Cobram-me cultura a altura do termo, poeta.
O que posso vos dizer se sentimentos exponho,
em cada verso que faço, muitas vezes sem a rima clássica.
Não vivi aqueles tempos, dos grandes autores, 
das rimas severas, da métrica...

Apenas, espalho palavras diversas 
que procuro conter numa lógica correta.

Enalteço a beleza o amor, a delicadeza da flor.
O perfume, inebriantes aromas do corpo de uma mulher.

Considero isso, mais que um poema.
É verdade plena daquilo que gosto, 
do que amo dizer.
Não me importa a coerência ou maneira de escrever.
Cada texto meu, vai sempre buscar a musa inspiradora.
A cura de meus males, da minha solidão obscura,
que um dia com certeza iluminarei com o olhar dela...
Bela criatura.

Gerson Araujo Almeida

domingo, 18 de outubro de 2015

COMO TE AMEI...


Quando te conheci, pensei que seria uma brincadeira. Jamais tive você em meus desejos, em meus sonhos, um sonho sem fundamento. Mas, tive você quando menos pensei. Hoje, você está distante e nem sei o porque. Talvez seja um sonho que imaginei, Amei sozinha cada entrega de prazer, senti-me amada em cada segundo. Flutuei na imaginação de que seria uma vida inteira, mas não foi. 

Errei por te amar acima de mim mesma e sem a capacidade de pensar que jamais seria feliz e amada. Valeu para mim cada momento porque ali me reconheci, a mulher que talvez eu nunca vou ser novamente um dia. Cada percorrer do meu corpo, sinto os seus, cada alegria é você que eu vejo. Talvez você não saiba o que é esse sentimento porque não se entregou ao amor e sim ao prazer que só seu ego sentia. 

O desejo de ter você, te amar com tamanha profundidade que se mede em minha alma e esquenta o meu sangue. A ternura dos teus carinhos, minha boca pedindo seus lábios ao meu e só sentir a brisa leve... Onde for carrego você comigo, sinto que esse amor não é para ninguém sentir. Somente eu  que um dia, se me perguntar qual foi o meu maior medo, vou sorrir, respirar e dizer:  
"- Meu maior medo foi ter amor por você." 

Sem medidas, tendo a certeza que por algum momento fui amada também. Fui a mulher mais feliz que homem nenhum não conseguiu arrancar de mim, esse amor que só tive por você .

Josiane Ramos
www.facebook.com/josiane.mramos

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Mulher...


Mulher...
Ao me aproximar, 
sinto algo de especial em ti.
Não importa a idade, 
nem a minha nem a tua, quero reciprocidade.
Não estamos falando de imposições, 
de dogmas ou moral.
Muito menos 
se sou capaz de amor te proporcionar.

Tua leveza, 
tua firmeza nos gestos, 
teu carinho é demais...
Só imagino me deitar ao teu lado, 
te sentir bem próxima.
Tocar meu corpo suavemente, 
me levar a loucura tão somente,
que me ponho a sentir os desejos da carne. 
Penetrando os espaços sem fim,
escorrer meus suores 
e derramar minha paixão dentro de ti.

Sugar cada saliência de teu corpo, 
nudez que sonho em conquistar e poder me ser revelada,
a beleza que esconde debaixo de tantos panos, 
 finos e elegantes.
Quero uma chance apenas, 
depois pode me mandar embora, 
me tocar de porta a fora,
na sarjeta me lançar. 
Não vou ligar, pois a visão me será suficiente.
Meus sonhos doravante serão recheados 
de tuas imagens indecentes.

Quero ser agraciado, 
merecidamente poder ter olhado e julgado.
Com certeza meu juízo será 
o de te amar eternamente.
Desdo de o raiar do dia até ao Sol poente...

Gerson Araujo Almeida

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Queima-me, purifica-me..., ama-me.


És fogo que me queima, mulher. 
Quando em mim, encostas. 
 Deixa-me marcas de amor, cicatrizes. 
 A pele arde quando me tocas, 
tuas mãos são como tochas. 

Incendeia-me, purifica-me... 
Cura-me da solidão. 
Aqueça-me este solitário coração. 
Ordinário, devasso, saliente 
Impuro e pecaminoso. 

Seja-me a salvação que procuro, 
tira-me deste inferno. 
 Quero provar de teu fruto, antes. 
Para no futuro não lamentar. 
 de teu sabor, não poder lembrar. 
Não ter provado do teu mel, 
nem arrancado o teu véu... 

Tua fogueira que arde, 
ilumina meu caminho ate você. 
Preenche a clareira nesta selva. 
Quero ver os teus contornos, 
estes teus lindos tesouros explorar, 
penetrar fundo teus abismos, 
descansar em teu peito... 

Queima-me, 
quando só restarem cinzas, 
vou me erguer delas, como uma Fênix.
Voarei para o teu lado, 
morrerei tantas vezes se preciso for, 
mas nunca irei te abandonar. 
Meu amor...

Gerson Araujo Almeida 

sábado, 10 de outubro de 2015

Palhaça fui eu


Quando sonhamos acordada em meio aos atritos, corremos seriamente o risco de sermos enganada, com nossas próprias ilusões. Ali se ama, se vive e deseja ser tudo que um dia sonhou. Sonhar alto é como andar na corda bamba a todo momento e notar que todos prestam atenção no equilíbrio da bailarina. Ali ninguém percebe que ela tem medo da altura, medo de não haver uma cama elástica para ela cair, porque confia no amor em que sua profissão determina. Mas a bailarina tem sonhos, desejos, esperanças, expectativas. Que sem dúvida alguma, para quando ela dali sair!  Esperando ter um baita abraço, junto com aplausos. 

Assim é o nosso dia a dia, vivendo em corda bamba e cheia de imaginação, sonhos que queremos viver. Você luta, corre atrás, planeja, sofre, ama e por um instante é também amada, mas nesse circo da vida muitas vezes você passa pela corda bamba sonhando que no final você será amada. No lugar dos aplausos, no lugar do medo a doce lembrança do que você enfrentou. Para atravessar e ser feliz, e no final você entrega-se intensamente. 

O seu papel, aquele que você esqueceu, no qual só você foi a atração principal. O espetáculo da vida estava vazio e sem ninguém para te aplaudir e te abraçar. Com aquele amor inocente de uma criança, mas com um desejo inabalável de uma bela fragrância de mulher. Que lá de cima via seu mágico adorável aparecer em meio ao cenário. Que se confundia com a inocência. Só tentando ser amada, e quando as cortinas se fecham só se encontrava a bailarina e as frustrações de um amor que começou e no fim não teve, nem abraços, nem aplausos, nem a certeza, nem palavras. Que ali ficariam juntos, e se percebeu que em meio a multidão e todos os esforços, foram em vão. 

Descobre-se que no meio do sonho e da ilusão do amor, a "palhaça" foi somente eu! As lágrimas não se contiveram ao descer pela face e jamais encontrou o amor que tanto dedicou, para vir secá-las.

Josiane Ramos
www.facebook.com/josiane.mramos

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Irmãs de almas


Difícil definir o que sentimos quando conhecemos alguém, e nem sequer pensava que um dia se cruzaria as nossa vida. Muitos acham que nós humanos não temos o amor na alma e sim no coração, quando o coração pára, morremos com ele, mas a nossa alma não! 

A alma, como é difícil decifrar ternura por uma pessoa que não conhecemos no acaso do destino.  Em meio ao dia a dia vamos caminhando e conhecendo pessoas, que tem nosso sangue. Vai se passando o tempo e acabamos nos encontrando.  Em lugares inusitados, temos a chance de olhar uma para a outra e nos reconhecer.

Quando estamos frente a frente não precisamos de palavras, só por olhares reconhecemo-nos. Não precisamos ter o mesmo sangue, sair do mesmo corpo ou sermos gêmeas para dizer: "- Eu te reconheci na minha vida, e estamos ligadas por uma tela virtual. Eu posso te chamar de irmã!" 

Irmã sim! De alma que se reconhecem uma a outra estando alegre ou triste. Mesmo que esteja afastada por alguns quilômetros ou horas. Foi assim que te reconheci como irmã, não foi sangue, não foi pele, não foi por interesse e sim, pelo que você irmã, é e representa em minha vida. Cada momento difícil que eu atravessei, quando eu menos pensava, quando eu imaginei que meu mundo ia desabar. E não mais suportar, você estava ali. Sempre de mãos estendidas a minha espera. 

E hoje vejo que não precisa ser de sangue para ser irmã. E sim ter um coração, uma boa alma que se encontram, se reconhecem que o tempo e o mundo gira, mais o amor, a amizade, permanece intacta em nossas almas.

Josiane Ramos
www.facebook.com/josiane.mramos

Não sinta medo de amar.


Não sinta medo de amar é tão natural o que sente.
És mulher desejada, tua beleza sempre presente, me atrai.
Faz-me revelar este segredo, que agora, 
merece ser alojado em teu coração. 

Sempre foi minha menina, nunca chegará a deixar de sentir, 
este amor que te dou, tão sincero e puro, desperta.
Deixa-me penetrar e carregar esta emoção, que está em teu coração,
pois sinto ao te tocar com minhas palavras. 

Às vezes, fico a esperar os teus carinhos, 
fico perdido na noite escura, solitário, 
você não vem, não sinto a tua presença.

Sou o sol que ilumina a tua imagem, 
bronzeio-te, te deixo aquecida.
Este corpo que desejo tocar. 
Lábios que queria beijar. 
Mas sei que me és impossível.
Reconheço-me, sou incapaz de te ter. 
Mas me conformo em te dar o meu amor, 
passar-te meus anseios, meus desejos. 
Que mal posso te proporcionar..., se te amo tanto. 

Não tenho pudor para meu amor revelar. 
Será proibido fazê-lo, será condenável senti-lo? 
Só quero que me retribuas, que me faça sonhar, 
sentir que estais feliz..., sorria! 

Não fique insegura, és uma fortaleza, 
tua luta pode ser inglória..., 
merecias mais reconhecimento..., 
no momento, só posso dar-te o meu carinho. 
Minha bondade, minha vontade de te ver feliz, 
ser amada, desejada.
Por este pobre mortal..., que lamenta, 
Não ter te encontrado mais cedo..., meu medo, 
é que o tempo me leve para longe.
Que o espaço entre nós..., aumente. 
Docemente te peço..., não me esqueça...

Gerson Araujo Almeida 

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

A falta que me faz você.


 Braços meus, frios e rígidos. 
Onde está o calor que os aquecia...,
 que  propiciava teu repouso, te abraçava com carinho.
Envolvia teu corpo, sentia o calor teu.
 Apertado abraço, carregado de amor, 
deliciosamente amável e carinhoso,
onde tudo isso está?

Minha boca secou, não é sede, 
seca está de teus beijos, sente falta dos lábios teus. 
Teu hálito adocicado, teu aroma de chocolate. 
 afrodisíaco meu, alimento gostoso. 
Quero teu amor provar novamente, 
minha fome de desejos, saciar. 

Volte logo amor, 
nosso quarto está abandonado, 
todo desarrumado. 
Cheio de sombras tristes. 
 Meu solitário corpo, que deixou da última vez.
angustia-me todas as noites. 
 Ver os dias passarem, sem poder novamente te sentir. 
Loto todos os espaços, todas as frestas. 
 Janelas entre abertas, nem a brisa por elas penetra. 
Em quem tocar, não estais mais aqui. 

 Mensagens me chegam, 
alenta meu peito, aconchega meu coração. 
Mas, bastante não é, falta à emoção. 
Tua voz, teus pedidos, 
teus sussurros ao pé do ouvido. 
 Doces pedidos de carinho, 
 amor selvagem e tórrido, que nunca vou esquecer. 
O quanto me ama..., venha me dizer. 

Nada me fará esquecer você meu amor. 
Esse amor maduro que a nós pertence.
Ouve a brisa que chega, 
leva meus lamentos de amante solitário. 
Quanto tempo suportarei a ausência, 
 minhas carências.
Esta é a mensagem que te leva, 
este vento amigo. 
Amo sem pensar na distância, 
vivo cada minuto triste sem ti. 

Gerson Araujo Almeida

sábado, 3 de outubro de 2015

Dorme meu amor...


Dorme meu amor e sonha comigo,
quero ficar contigo por toda essa noite.
Repousa e relaxa teu corpo, 
quero abraçá-la com carinho.
Em teu sonho, te amar intensamente, 
não te deixar fugir de meus beijos.

Dorme meu amor 
e sonha que estamos felizes finalmente.
Que estamos eternamente juntos 
para muito além de nossas vidas.
Quero te dar toda a felicidade 
que puder dispensar a minha amada querida,
minha flor linda e colorida, 
que cultivo em meu quintal.

Não faz mal 
se amanhã quando acordar, 
não lembrares de teu sonho de amor,
não importa se nem lembrares de meu nome, 
de quem sou.
Prometo deixar um sinal qualquer, 
para que saiba que teu sonho foi real.

Será nosso milagre secreto, 
não conte a ninguém, podem nos achar loucos.
Vivermos de sonhos, em sonhos nos amar.

Dorme meu amor e sonha com teu amado.
Que aqui acordado, se manterá a você, conectado.
Em espírito, em pensamento, ao teu lado vou estar.

Dorme meu amor...

Gerson Araujo Almeida

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

"- Dedicas teu tempo a quem merece ser lembrado..."


Li esta mensagem 
e me deixei vagar na imaginação.
O que teria feito para merecer 
tanta dedicação.
Posso ser merecedor 
de tanto amor assim.
Acho que devo ter tocado 
teu coração com suavidade.
Sempre tive esta preocupação, 
bem sei o que passou...

Quero que me permita 
a preocupação de sempre estar contigo,
nas mensagens, nos poemas entrelaçados, 
nas respostas que só nós entendemos.
Embora muitos percebam mensagens ocultas.
Que fazer quanto as interpretações, 
podem nos achar malucos.

Malucos mesmo, somos um pelo outro, 
malucos beleza, alguém já disso isso.
Que me importa, serei sempre devedor 
de carinhos teus, de tuas amabilidades,
de preocupações tremendas, 
é meu jeito de gostar de ti.

Ligações que não podemos deixar de ter, 
existir e merecer.

São ligações assim que revelam 
grandes amizades, cumplicidades,
amor e por que não dizer, 
vontade de juntos estar.

Gerson Araujo Almeida.

(PS. Mandei agora pelo meu celular).

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Coragem


Satisfaz tua vontade, 
se entrega sem medo, 
o que pode acontecer se o amor se for.
Ficaram as sensações vividas, 
as marcas profundas, os gozos sem fim.
Melhor que viver assim, 
no isolamento escuro da noite mal dormida,
dos sonhos que viraram pesadelos, 
dos despertares na madrugada em cama vazia.
Não sei se estou correto, 
não sei se é o melhor da vida, 
esquecer as paixões vividas.

Sonho em estar contigo toda noite,
me debruçar sobre teu peito, te acarinhar.
Cheirar o aroma das rosas, da pele macia e fresca,
que te cobre por inteira.

Alisar teus cabelos, penetrar entre os fios, meus dedos.
Sentir o calor da paixão que brota insistentemente.

Que me valha a certeza que não vou decepcionar,
na busca do amor em ti encontrar.
Me facilite a entrada, 
deixe a chave escondida na soleira da porta.
Não farei alarde, apenas sorrateiro me manterei.

Olharei teus pecados, 
tuas silhuetas desnudas envoltas nas sombras do quarto.
Só me resta agora, coragem...

Gerson Araujo Almeida

domingo, 27 de setembro de 2015

Querem matar o poeta?


 Fogem-me as palavras, 
tento juntá-las mas não consigo.
Não sei o que acontece agora, 
nesse instante, comigo.
Por onde andam as musas, 
por onde anda o encantamento,
aquela força que emana da amada, 
quando por perto está.

Será que estão me castigando, 
isolando seus corações para que eu não as sinta.
Fiz algum mal a elas? 
Será que provoquei alguma ira, 
vão me abandonar agora?

Sabem que se fizerem isso, 
vão matar o poeta.
Que não vive mais uma vida e sim várias...
Sempre em busca do amor, 
sempre pensando ser merecedor.
Um amor puro que vem em ondas, 
que pelo ar se propaga, 
que os astros na noite derramam.

Vem pela Lua, vem pelas chuvas, pelas estrelas, 
vem pelo ar perfumado de seus corpos.
Emana de suas bocas desejosas de um beijo, 
de seus corpos carentes de fortes abraços.

Só posso prometer que um dia as visitarei 
e seus desejos realizarei,
quanto aos meus, 
prefiro sussurrar em vossos ouvidos.

Gerson Araujo Almeida

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Relendo tuas cartas


Guardadas no fundo da estante, 
numa caixa velha de sapatos,
revirando documentos antigos deparei-me 
com tuas cartas perfumadas.
Ainda guardam o aroma sutil 
que sempre me encantou por anos.
Que saudades me trás tais cartas.

Muito embora, 
nunca tenha sido dado a escrever, 
naqueles tempo corridos,
onde o trabalho era mais importante 
que o lazer de escrever e ler. 
Tudo o que tinhas no peito para me dizer.
Peço hoje mil perdões, 
por não ter me dado ao luxo 
de apreciar belas palavras,
que me tocam hoje, fundo a alma.

Dizem: 
"É quando se perde que se valoriza o bem!"
Poderia ter sido mais atento, mais amoroso.
Não que não tenhamos realizado 
todos os nossos desejos,
no calor de nossas paixões, 
em meio ao amor que reinava entre nós.
Sempre me preocupei com isso, 
nunca te deixar carente de carinhos.

Hoje, revirando tuas cartas, 
perfumadas ainda, envelhecidas pelo tempo.
Me prendo a reler e admirar 
o quanto fui amado, adorado e desejado, por ti.

Perdoa amor, se não fui o melhor dos amantes...

Gerson Araujo Almeida

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Desejei singrar teus mares


Quero aventurar-me e explorar teus mares, 
tuas praias de areias claras.
Tuas conchas recolher, teus mariscos saborear.
És a própria natureza que vive 
neste corpo que segredos esconde.

Meu barco já singrou mares revoltos,
tempestades aguentou sem fazer água suficiente,
para desaparecer no horizonte.
Sou Almirante, já fui grumete, marinheiro me formei,
entre lutas em água de tempestades.

Nada me abala mais, 
nem que me recuse o seu amor.
Partirei sem remorso teu, 
vou entender e aceitar meu destino.
Navegar com o vento, 
aproveitando as marés que se mostram acessíveis.
Sigo a amiga, 
que lá de cima me indica a rota, bondosa Lua.

Nem que a chuva me açoite, 
revoltada e enciumada, 
por não ter lhe desejado este poema.
Não chore minha pequena, 
suas lágrimas por vezes me refresca, 
doce chuva, acolhedora e refrescante.
Em mares de sol pleno e calmaria, 
serás sempre bem vinda.

Gerson Araujo Almeida

domingo, 20 de setembro de 2015

Espere meu amor.

blogdanandagomes.wordpress.com

Não chore,
não se sinta sozinha agora,
farei de tudo, até o impossível,
se for necessário,
para fazer voltar ao teu semblante o sorriso.
Posse, duro demais, ter sido,
te revelando que não posso te pertencer.
Seria um engano, seria covardia não te dizer,
não te demonstrar que agora,
ainda preciso me achar melhor neste mundo.

Não estou pronto ainda,
para me dedicar a você.
Só te peço mais tempo e calma.
Pode ser irracional,
pode até pensar que estou por outra apaixonado.
Garanto que não, meu amor.
Apenas ainda preciso de um tempo.

Quero ser feliz como antes,
me dedicar plenamente sem restrições.
A felicidade depende de muitos fatores,
nem sempre de muitos amores,
mas basta uma paixão arrebatadora.
Uma luxúria que desperta a necessidade de procura.
Um amor que disso tudo irá novamente brotar,
tenho certeza disso, só te peço mais uma vez,
espere meu amor...

Gerson Araujo Almeida